Maranhão 2014: a situação do PT

30 nov 12 - Política - robert lobato - Sem Comentários

Qualquer análise de cenários para a sucessão de 2014 que não leve em conta a importância do PT não pode ser séria.

Não que o partido seja uma potência eleitoral no estado ou que tenha maiores representatividades nos municípios (prefeitos, vice-prefeitos, vereadores), na Assembleia Legislativa ou no Congresso Nacional. A importância do PT no estado ainda não é, infelizmente, por essa realidade.

A importância do PT é pelo que representa no campo nacional e, por conseguinte, reflete em menor ou maior grau no estado. No caso específico das eleições, o tempo e a grife do partido são outros “dotes” que o torna uma noiva para lá de cobiçada.

Não são de hoje os problemas enfrentados pelo PT maranhense e muito menos reside exclusivamente na aliança inédita com o grupo Sarney celebrada em 2010. Não, a crise do PT vem de longe e foi causada por uma conjunção de fatores onde é impossível identificar uma única liderança ou até mesmo uma única força interna especificamente como culpados pela estagnação do partido no Maranhão.

Mas, para toda crise existe uma saída.

No ano que vem o PT organizará mais um Processo de Eleição Direta (PED) em que petistas de todo território nacional escolherão seus dirigentes nos três níveis: municipal, estadual e nacional.

No Maranhão, noticiários da blogosfera dão conta de que uma nova liderança interma estaria a pleno vapor para se tornar a grande novidade petista a por vir:  o deputado estadual Zé Carlos. O parlamentar petista traça planos, metas e objetivos para chagar à Câmara dos Deputados,em Brasília.

Para tanto, destacou o seu chefe de gabinete Henrique Sousa, que conhece bem o PT, para coordenar o projeto. Sousa é no nome do “gabinete” para presidente estadual do PT e, numa ação mais ousada, substituir Zé Carlos na Assembleia Legislativa.

Não obstante a legitimidade da dupla Zé Carlos/Henrique Sousa para traçar e executar projetos políticos, não custa lembrar que existem outros candidatos à presidência estadual do PT: Raimundo Monteiro (candidato à reeleição), Mundico Teixeira, Augusto Lobato, Bira do Pindaré, Robert Lobato, Adrovan “Cabeludo”, Rodrigo Comerciário entre outros que podem surgir ao longo do processo, inclusive um nome do Sul do Maranhão.

Entretanto, há um fator importantíssimo nessa conjuntura petista: Washington Luis.

Não se pode desconhecer a força do vice-governador nesse processo de disputada interna do PT

Não passa de má-fé (ou pura queimação barata)  boatos de que Washington enfrenta dificuldades catastróficas no PT. Nada a ver.

O que ocorre de fato é que o petista passa por um processo de desgaste natural nas bases do partido pelo preço da aliança como o PMDB da governadora Roseana Sarney. E esse desgaste, diga-se de passagem, é mais pelo fato da “companheirada” não se sentir governo, já que no interior do estado o PT não tem sequer um zelador, merendeira, vigia de escola, que dirá dirigente de órgão do Governo do Estado.

Se o chamado “governo de coalizão” chegasse aos municípios de fato, ou seja, se parte dos espaços governamentais existentes no interior tivesse a presença de petistas, esse discurso hostil contra a aliança PT/PMDB não teria alcançado a dimensão que alcançou atualmente na base do partido.

Washington é uma das principais e mais fortes lideranças do PT atualmente. Tem influência para além da sua corrente, a CNB, e é o principal interlocutor junto à direção nacional do partido e do próprio governo Dilma.

Eventuais “insurgências” de aliados estão relacionada à democracia interna do PT e não a um suposto enfraquecimento do vice-governador.

Mas, claro, Washington tem que se impor enquanto líder, comandante do seu grupo, ter autoridade política para fazer cumprir os acordos internos e reconhecer como legítimo o projeto desse ou daquele companheiro.

Deve ainda ser o “diplomata” entre os interesses do PT junto ao Governo do Estado para que essa aliança seja sentida de fato pelo conjunto ou ao menos pela maioria do partido, caso contrário não tem quem segure (nem Dilma, Lula etc) a debandada petista para a oposição.

Já o presidente estadual, Raimundo Monteiro, tem que atuar como uma espécie de “cão de guarda” do PT, falar para a sociedade, cobrar compromissos políticos com os aliados, enfim, ser um presidente forte, atuante e polêmico quando for o caso.

Para isso, basta se mirar no atual vice-presidente da República, Michel Temer que, quando presidente nacional do PMDB, tencionava constantemente com o Governo Federal sempre que entendia que os interesses do seu partido não estavam sendo devidamente atendidos.

Enfim, o PT pode caminhar para um processo de disputa interna não tão radicalizada como alguns desejam, mas para um confronto de ideias e ideais que venha restabelecer um mínimo de entendimento para que os projetos, mesmo os pessoais, possam sair vitoriosos em 2014.

Essa, digamos, pré-disposição de alguns em matar politicamente o vice-governador pode não ser a melhor tática para repactuar o PT no Maranhão. Pelo contrário: pode ser um instrumento para matar o próprio PT definitivamente!

Não custa lembrar: todos estão dispostos à paz, mas, às vezes, ela, a paz, é conquistada na guerra.

O bom senso será sempre um bom conselheiro…

Tags :

Sem Comentários

  • Francisco 30/11/2012 às 13:56

    Muito boa sua reflexão. Mas os principais culpados pelo PT está desprestigiado nas bases do interior do Estado são justamente Washington e Monteiro. Foram eles que não tiveram pulso para fazer Roseana dar o devido espaço aos companheiros nos municípios. E mas, nas eleições só se preocuparam com a capital e sequer ajudar em nada o municípios e até sacrificaram o PT em alguns municípios para servirem aos interesses da família Sarney, como foi o caso de Timon, onde houve intervenção da Executiva Estadual para levar o PT para os braços do Deputado Alexandre Almeida queridinho de Roseana e Fernando Sarney. Sinceramente, amigo Lobato a aliança PT/PMDB pode até ser ainda uma perspectiva de construção, mas,não com Washington e Monteiro com lideres do Projeto pois esse já provaram não ter força e só pensam nos seu próprios umbigos. Essa é a realidade…

    • robert lobato 30/11/2012 às 14:31

      Resposta: Entendo a sua angústia, mas temos que encontrar juntos uma saída, respeitando a liderança de Monteiro e de Washington, além de outros companheiros;

  • Silmar Braga 30/11/2012 às 15:40

    Robert Lobato
    Concordo com você, em gênero, numero e grau, ou seja, leitura perfeita do cenário, o que de fato falta, e há muito tempo é o vice Governador Washington argumenta para a governadora a importância dos que defenderam a aliança PT/PMDB, e expor de forma clara para a governadora que o PED/2013 será o termômetro para a continuidade ou não da aliança PT/PMDB em 2014.

    No mais e torce pelo bom senso de quem conduz o comando do PT e do governo.

    Obs. Os bons e verdadeiros aliados são os que têm a coragem de dizer a verdade.

    • robert lobato 30/11/2012 às 15:43

      Resposta: Aliado que não fala a verdade é de fato um impostor, meu querido Silmar. Um forte abraço e obrigado pelas tuas palavras.

  • Antonio Costa 30/11/2012 às 18:39

    A grande questão e que não adianta tampar o sol com peneira, o Washington e Monteiro não têm liderança é só farofa…e tem mais anotem,vão demonstrar um pouco de força próximo ao PED quando a patroa deles soltar dinheiro de novo pra mudar o rumo do partido novamente.Assim na força NÃO, e ainda o vice solta nota na imprensa que a aliança com oPMDB no maranhão tá dando certo????? até concordo…dando certo pra ele e meia dúzia.Compnheiro RL adimiro vc com seus artigos,mais companheiro convenhamos se esses companheiro quiserem ajudar mesmo o partido tem que desoculpar o lugar,com todo respeito não jogue confetes nesse povo…um abraço

    • robert lobato 30/11/2012 às 23:45

      Resposta: Não jogo confetes não,mas também não jogo gasolina no paiol.

  • Estrela Vermelha 30/11/2012 às 21:56

    É a hora de caminhar para uma nova “direção”, estamos cansados da inércia desses atuais dirigentes.

  • manoel quinco de lima filho 20/12/2012 às 17:12

    ENFELIZMENTE ESSE GOVERNO QUE ESTAR HOJE NO MARANHÃO SÓ FEZ USAR O PT SEM DAR OPORTUNIDADE DE PARTICIPAÇÃO AOS TRABALHO GOVERNAMENTAIS, ESSA GOVERNADORA JÁ DEMOSTROU QUE NÃO MERECI CONFIANÇA, POIS O PT É MUITO MAIS QUE UMA BASE DE APOIO DO SEU GOVERNO E SIM UM PARTIDO POLITICO ONDE TEM SEUS MILITANTES E COMPANHEIROS DIGNO PARA LUTAR PELO UM MARANHÃO LIVRE E DO POVO E NAO DE UMA FAMILIA SÓ. FIQUEI TRISTE QUANDO VIR QUE O PT DO MARANHÃO NAO TEVE HA OPORTUNIDADE DENTRO DA ADMINISTRAÇÃO DESSE GOVERNO QUE HOJE DIZ SER UMA ADMINISTRAÇAO MODELO E A MELHOR DE SUA VIDA.
    CHEGOU A HORA DE DIZER UM NÃO HA ESSA ADMINISTRAÇÃO E MOSTRAR QUE O PT DO MARANHÃO TEM DIGNIDADE E HOMENS SERIOS PARA TOMAR POSTURA E POSIÇÃO NAS ELEIÇÕES DE 2014, E DIZER UM NÃO A ESSA OLIGARQUIA SARNEY.
    QUEREMOS VER O NOSSO MARANHÃO LIVRE E DE VOLTA AO POVO.
    MANOEL DO PT ( PRESIDENTE ) EM NOME DE CADA UM COMPANHEIRO DE SANTO ANTONIO DOS LOPES-MA.

Deixe um Comentário