Se não houver nada de surpreendente amanhã, domingo (26), Dilma será reeleita presidenta e o Brasil ganhará mais 4 anos de governo democrático e popular do PT.

Matéria como a da revista Veja, ainda que ganhe grande repercussão na raivosa classe média, não alcança o povão.

Mas um fantasma ronda a reeleição da Dilma: o fantasma da abstenção.

Veja o que disse ao Blog do Robert Lobato, o senador eleito PSB, Roberto Rocha, um dos principais apoiadores da candidatura Aécio Neves no Maranhão:

Meu caro Robert, no primeiro turno tivemos uma abstenção de 19,4%, ou seja, 27,7 milhões de eleitores que não compareceram às urnas. Quase uma Marina.

Todo segundo turno tem uma abstenção ainda maior, pela ausência dos candidatos a deputado. Essa abstenção é ainda maior onde não tem segundo turno para governador, como é o caso do Piauí, Pernambuco, Maranhão e Bahia, exatamente os lugares onde Dilma teve mais votos.

A abstenção é maior, claro, nas regiões mais pobres, ou seja Norte e Nordeste.

Isso explica porque as últimas pesquisas em 2002, 2006, 2010 e primeiro turno de 2014, do Ibope e Datafolha, erraram além da margem de erro em favor do PT e, também, em desfavor do PSDB.

Não é má fé destes institutos, eles simplesmente não tem como medir a abstenção.

Desta forma, creio que Aécio vence com pelo menos 3%.

Fica registrado minha opinião

Pois é… Se o terrorismo da reveja Veja não surte qualquer efeito para impedir a reeleição da Dilma, a campanha da petista, bem como a militância e os partidos que apoiam a petista, precisam redobrar esforços para garantir a presença dos eleitores da presidente nas urnas amanhã.

Caso contrário a opinião do Roberto Rocha prevalecerá.

É isso.

O objetivo é diminuir a abstenção no Maranhão

O advogado Márcio Endles lamenta falta de esforços das autoridades eleitorais em algumas localidades do estado.

O Maranhão teve um dos maiores índices de abstenções no Brasil e, mesmo com o imenso trabalho dos últimos dias, na preparação da votação de domingo, a Justiça Eleitoral ainda tenta aumentar a abrangência e disponibilização de transporte aos eleitores, com vistas a garantir o mais pleno exercício da cidadania, principalmente da população mais humilde, que, na maioria das vezes, é a principal prejudicada pela ausência de transporte.

O TRE/MA já solicitou informações para todas as Zonas Eleitorais do Estado acerca do oferecimento de transporte aos eleitores, por determinação do Desembargador Guerreiro Júnior, Corregedor do Tribunal, que deferiu em parte um pedido formulado e solicitou que todas zonas eleitorais informassem acerca “das rotas de transporte definidas no âmbito da respectiva circunscrição”.

O advogado eleitoralista, Márcio Endles, comentou a decisão do TRE/MA: “O transporte dos eleitores, conforme a Lei nº 6.091/74 e da Resolução TSE nº 9.641/74, é de responsabilidade das Zonas Eleitorais, que devem fazer as requisições necessárias de veículos, desde ônibus do transporte público, escolar e outros, para credenciar estes veículos e oferecer transporte aos eleitores no dia da eleição. Ocorre que em algumas localidades do Maranhão os partidos políticos e responsáveis pelos veículos não têm colaborado com às Zonas Eleitorais.”

A questão do transporte é uma questão de interesse público, para oferecer aos eleitores a oportunidade de exercer seu direito ao voto e, em vários lugares do país, tem sido adotada uma medida simples e eficaz, os juízes eleitorais, de onde os partidos e interessados não se manifestam para credenciar veículos, têm credenciado os veículos do transporte escolar dos municípios e determinado que os mesmo façam as rotas convencionais no domingo, só que transportando eleitores, pois, via de regra, as seções eleitorais são instaladas nas escolas alcançadas pelo transporte escolar municipal que, por determinação legal, devem atingir todos os povoados.

A questão do oferecimento de transporte aos eleitores é uma preocupação nacional demonstrada pelo próprio TSE e já vêm sendo tomadas medidas por todos os TRE’s do país, como no tribunal do Piauí, onde o presidente, Des. Edvaldo Moura, conclamou “os Juízes das Zonas Eleitorais e as respectivas Comissões de Transporte, envidassem esforços no sentido de viabilizar o transporte de eleitores em veículos previamente credenciados pela Justiça Eleitoral, no 2º turno das eleições que ocorrerá neste domingo, 26 de outubro”.

Duelo antes do segundo turno é marcado por temas e frases semelhantes aos dos encontros anteriores

por Redação CartaCapital

Apesar do prenúncio no primeiro bloco de um debate pautado por temas polêmicos, o último encontro entre os presidenciáveis Aécio Neves (PSDB) e Dilma Rousseff (PT) foi marcado por estratégias utilizadas anteriormente pelos rivais. Nesta sexta-feira 24, durante o último debate antes do segundo turno, realizado nos estúdios da TV Globo no Rio de Janeiro, Aécio e Dilma retomaram assuntos como corrupção, educação, previdência e inflação.

O primeiro bloco, no entanto, destoou do restante do encontro. Ao citar denúncia trazida pela revista Veja e comentários negativos da revista Istoé, Aécio perguntou a Dilma se ela e o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva sabiam de esquemas de corrupção na Petrobras. Dilma criticou as publicações e acusou as revistas de manipulação. “Essa revista que fez e faz sistematicamente oposição a mim faz uma calúnia e difamação do porte que ela fez hoje, e o senhor endossa?. A revista Veja não apresenta nenhuma prova e tem o hábito de na reta final tentar dar golpe eleitoral. E isso não é a primeira vez: também fez isso em 2002, 2006, 2010 e agora em 2014”, disse.

Outro tema polêmico foi sobre a construção do Porto de Mariel, em Cuba, com financiamento do BNDES. “Sabemos da absoluta carência de infraestrutura do País. Seu governo optou por financiar a construção do porto em Cuba, gastando bilhões, enquanto nossos portos estão aguardando investimento”, criticou Aécio. “Consegui um documento hoje que afirma que esse tipo de empréstimo normalmente leva dez anos. Esse levou mais de vinte. É justo com o dinheiro brasileiro fazer negócios com um governo que não respeita nem a democracia?”.

Dilma rebateu as críticas lembrando que o governo financiou uma empresa brasileira (Odebrecht) que gerou empregos. “O governo FHC financiou empresas brasileiras a exportar e colocar empresas brasileiras tanto na Venezuela quanto em Cuba. Não entendo este estarrecimento”, disse Dilma.

Tanto no primeiro bloco quanto no terceiro, nos quais os candidatos faziam perguntas um ao outro, com direito a réplica e tréplica, enquanto o ex-governador de Minas Gerais repetia que Dilma buscava reescrever a história, a petista quase sempre começava uma resposta dizendo que o peesedebista estava “mal informado”.

Além disso, sempre que podia, Dilma insistia em comparar sua gestão e a de Lula ao governo Fernando Henrique Cardoso, do mesmo partido de Aécio. Depois de ser criticada por ser “a única presidente depois do Plano Real a deixar a inflação maior do que encontrou”, Dilma afirmou que quem deixou inflação maior do que recebeu foi o governo FHC. A presidenta acusou ainda os tucanos de repassarem a crise econômica para as costas do povo: “Vocês deixaram o Banco do Brasil com grave dívida. Quebraram a Caixa, o BNDES. E jogaram a crise nas costas do povo brasileiro: com desemprego e baixos salários”, afirmou.

No segundo bloco, os candidatos foram questionados por eleitores indecisos, que fizeram suas perguntas diretamente aos presidenciáveis. No geral, optaram pelas respostas generalistas e ensaiadas em vez de se aterem ao problema levantado pelos indecisos.

Os temas educação, aluguel e previdência foram abordados, assim como corrupção. Dilma reconheceu que a lei contra corrupção no Brasil não é dura o suficiente. “A lei é branda. E quando a lei é branda, você investiga e na hora de punir o criminoso se evade. Por isso eu propus algumas questões: transformar em crime eleitoral o caixa 2; a pessoa que enriquece sem declarar origem do bem, perde o bem; criar instância dentro do tribunal para julgar crimes de colarinho branco. Isso significa que vamos ter conjunto de medidas para que haja punição para aquele que foi o corrupto e o corruptor. Eu tenho orgulho de a Polícia Federal no meu governo investigar”.

No terceiro bloco, Dilma confrontou a gestão do governo de Geraldo Alckmin (PSDB) em São Paulo e perguntou se a crise da falta de água não é uma questão de falta de planejamento. “Houve e, segundo o TCU, no seu governo. O governo de São Paulo, diferente do governo federal, fez o que estava nas suas mãos”, rebateu Aécio. “A população de São Paulo decidiu quem estava com a razão. Infelizmente, não tivemos a parceria com a ANA (Agência Nacional de Águas). Esse aparelhamento da máquina pública é a face mais perversa do seu governo e do governo anterior. As pessoas colocadas ali não foram por qualificação, mas por indicação”. Dilma reiterou a má gestão do governo tucano em São Paulo e lembrou que água é responsabilidade do estado. “Não planejar no maior estado do Brasil é gravíssimo. O senhor vai me desculpar, mas eu vou concordar com o humorista José Simão. Vocês estão levando o estado para ter o programa Meu Banho, Minha Vida”, disse a presidenta, arrancando risos e vaias da plateia.

Aécio respondeu dizendo que a ausência de planejamento não é uma vergonha nos estados mais ricos, mas em todas as regiões. Além disso, afirmou que a falta de planejamento é uma marca do governo Dilma e citou as inacabadas obras de transposição do rio São Francisco e da Transnordestina.

No último bloco, os eleitores indecisos voltaram a fazer perguntas. Questionaram os dois sobre violência urbana, drogas, a falta de saneamento básico e sobre a empregabilidade de pessoas mais velhas. Mais uma vez, receberam respostas pouco conectadas aos casos reais citados pelos eleitores durante o questionamento.

AÉCIO FALA EM CENSURA E PSDB EM EXTINÇÃO DO PT

247 – A disputa presidencial no Brasil pode não terminar neste domingo. Caso venha a ser derrotado, o PSDB sinaliza que irá insistir numa espécie de “terceiro turno”. Em entrevista nesta sexta-feira, o candidato Aécio Neves (PSDB-MG) afirmou que irá ingressar com ação judicial contra a presidente Dilma Rousseff, em razão de reportagem publicada por Veja nesta sexta-feira – a denúncia não tem provas, segundo a própria revista, e acusa tanto Dilma quanto Lula de saberem de tudo na Petrobras (leia mais aqui).

De acordo com Aécio, a resposta de Dilma às denúncias é a censura. “Essa revelação, de que Dilma e Lula conheciam o esquema de corrupção, é extremamente grave. Sabemos que a delação premiada só garante benefícios ao denunciante se for comprovada suas afirmações. O Supremo Tribunal Federal já homologou as denúncias anteriores de Youssef e caminha para homologar mais esta denúncia”, disse ele, que antecipou medidas judiciais. “Eu determinei que hoje mesmo o PSDB ingresse na Procuradoria Geral da República, solicitando que essas investigações sejam aprofundadas em virtude da gravidade do tema”.

Antes disso, uma nota assinada pelo coordenador jurídico da campanha de Aécio, deputado Carlos Sampaio (PSDB-SP), relatou as providências judiciais que serão tomadas e que, segundo ele, deveriam levar até à extinção do Partido dos Trabalhadores.

Leia abaixo:

COLIGAÇÃO MUDA BRASIL

Nota Oficial

A revista Veja que chegou às bancas, nesta sexta-feira (24/10), divulgou reportagem em que cita trechos do depoimento prestado pelo doleiro Alberto Youssef no âmbito da Operação Lava Jato e de sua delação premiada, acordada entre a Polícia Federal e o Ministério Público Federal.

Dentre as informações citadas pelo doleiro, há graves acusações de que o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva e a atual presidente da República e candidata à reeleição, Dilma Vana Rousseff, ambos do Partido dos Trabalhadores (PT) tinham pleno conhecimento das irregularidades ocorridas na Petrobras, dentre as quais o desvio de recursos da empresa, o pagamento de propinas (que, segundo o delator, era feita a mando do Partido dos Trabalhadores para parlamentares de sua base aliada) e o superfaturamento de obras para viabilizar tais desvios.

Além disso, são mencionadas operações milionárias ilegais feitas a pedido do tesoureiro do PT, João Vaccari Neto, o que revela a relação direta das operações criminosas investigadas com as ações do partido em benefício de seus maiores expoentes, Luiz Inácio Lula da Silva e Dilma Rousseff.

Conforme narrado pelo doleiro e de acordo com a reportagem divulgada, um dos fatos mais graves diz respeito ao contato de um dos coordenadores da campanha à reeleição da atual Presidente Dilma Vana Rousseff com o doleiro Alberto Youssef, requerendo a repatriação de R$ 20 milhões que se encontravam em uma das contas do PT no exterior e que teria como destino a campanha presidencial do partido.

Ainda segundo Youssef, ele era o operador das contas correntes mantidas pelo PT no exterior, sendo o responsável por seu abastecimento — com parte de recursos desviados da Petrobras, por exemplo — e por sua operação. Ainda de acordo com a reportagem, tal operação não teria sido concluída pelo Sr. Alberto Youssef única e exclusivamente porque foi preso antes de concluir a operação.

Tais fatos são por si só graves e indicam, caso confirmados, o cometimento de diversos crimes pelos dirigentes do PT.

Lavagem de dinheiro (Lei nº 9.613/98, Art. 1º: Ocultar ou dissimular a natureza, origem, localização, disposição, movimentação ou propriedade de bens, direitos ou valores provenientes, direta ou indiretamente, de infração penal);

- Corrupção passiva (Código Penal, artigo 317);

- Corrupção ativa (Código Penal, artigo 333);

- Peculato (Código Penal, art. 312);

- Prevaricação (Código Penal, art. 319);

- Crimes contra a ordem econômica tipificados na Lei nº 8.137/90, decorrentes da ocultação de contas e valores no exterior.

Vale dizer que, ao se confirmar que todas as infrações narradas pelo doleiro ocorriam com o conhecimento dos Srs. Luiz Inácio Lula da Silva e Dilma Vana Rousseff, há que se realizar um aprofundamento das investigações para verificar a sua participação nos ilícitos, seja como partícipes, co-autores ou beneficiários. Importante ressaltar que, de qualquer forma, há responsabilidade criminal a ser perquirida.

Por fim, é necessário apurar se a repatriação de recursos financeiros do exterior se concretizou, ainda que por meio de outro operador, pois, caso se confirme o ingresso de R$ 20 milhões de recursos ilegais em benefício da campanha de Dilma Rousseff, restará caracterizado o abuso de poder econômico nestas eleições. Além disso, a obtenção de recursos de procedência estrangeira por partido político poderá levar à extinção do Partido dos Trabalhadores.

Por essas razões, ingressaremos com Representação Criminal perante a Procuradoria Geral da República requerendo o aprofundamento das investigações.

Carlos Sampaio
Coordenador Jurídico da Coligação Muda Brasil

A presidenta Dilma Rousseff,  candidata à reeleição, fez uma contundente crítica, durante o horário gratuito na tevê, à ‘matéria” da revista Veja, em edição antecipada feita sob medida, e de forma desesperada, para tentar impedir que a vontade popular prevaleça nas eleições deste domingo e reconduza a petista para mais quatro anos à frente da Presidência da República.

“Eu gostaria de encerrar a minha campanha na TV de outra forma, mas não posso me calar frente a esse ato de terrorismo eleitoral articulado pela revista Veja e seus parceiros ocultos, uma atitude que envergonha a imprensa e agride a nossa tradição democrática. Sem apresentar nenhuma prova concreta e mais uma vez baseando-se em supostas declarações de pessoas do submundo do crime, a revista tenta envolver diretamente a mim e ao presidente Lula nos episódios da Petrobras que estão sob investigação da Justiça”, disse.

A matéria de Veja é tão descarada que fala até em Impeachment da presidenta caso ela seja reeleita a mais um mandato. Um completo absurdo.

A seguir o programa onde a candidata do PT detona com Veja:

Imagem de Amostra do You Tube

O próximo secretário de Saúde do Maranhão, seja quem for, vai encontrar o sistema com um padrão de qualidade que será difícil qualquer manobra que possa dar um rumo muito diferente no que foi empreendido pelo atual gestor da pasta, o deputado estadual licenciado Ricardo Murad.

Convidado pelo ainda comandante da SES, o Blog do Robert Lobato fez uma espécie de ‘tuor da saúde” ontem, 23, e pôde constatar in loco o legado de um trabalho arrojado, bem planejado, competentemente executado, cujo resultado é uma gama de serviço digno de aplauso pela cidadania, principalmente por parte daqueles procuram as várias especialidades disponíveis atualmente nas rede de saúde pública oferecidas pelo Governo do Maranhão.

Rede de serviços

Mart

Maternidade Nossa Senhora da Penha, no Anjo da Guarda.

Até o final de novembro, a Secretaria de Saúde vai inaugurar várias unidades hospitalares, entre elas estão: duas maternidades em São Luis – uma na Cohab e outra no Anjo da Guarda; uma Unidade de Pronto Atendimento e o ambulatório especializado da mulher na Vila Palmeira; e novos setores do Hospital Estadual de Alta Complexidade Dr. Carlos Macieira.

Estas obras foram vistoriadas nesta quinta-feira (23) pelo secretário Ricardo Murad e estão todas em fase de finalização. Elas integram o Programa Saúde é Vida, que é um conjunto de ações desenvolvida pelo governo Roseana elogiadas até por agente da oposição como o Jornal Pequeno, que já fez vários editoriais em reconhecimento ao programa e ao trabalho de Murad.

Atenção à mulher

Ricardo vistoria obras da futura Maternidade da Cohab, onde seria o Hospital da Unimed.

Ricardo vistoria obras da futura Maternidade da Cohab (antigo Hospital da Unimed).

A partir de novembro, as gestantes terão assistência com alto padrão de qualidade na maternidade que será implantada em prédio adquirido pelo governo estadual na Cohab (antigo hospital da Unimed). Ali funcionará nada menos do que 50 leitos de internação e um centro cirúrgico moderno para atender os partos de risco habitual que eram atendidos pela Maternidade Benedito Leite, complementando a assistência obstétrica hoje oferecida na Maternidade Marly Sarney, que é referência estadual para gestação de alto risco. No Anjo da Guarda, a Secretaria de Estado da Saúde está concluindo a reforma da Maternidade Nossa Senhora da Penha, que passa a integrar a rede estadual para ampliar o atendimento às gestantes na capital.

“Estamos suprindo, de uma vez por todas, a demanda por leitos obstétricos em São Luís, onde a nossa Maternidade Marly Sarney já presta um grandioso trabalho, e agora poderá dar atendimento exclusivo às gestantes de alto risco”, destacou o secretário Ricardo Murad.

la Palmeira, onde hoje funciona o Centro de Saúde Genésio Rego, o ambulatório especializado para assistência às mulheres está sendo totalmente reformado e voltará a funcionar oferecendo consultas e exames.

Centro de Saúde Genésio Rego, na Vila Palmeira: ambulatório especializado está sendo totalmente reformado e voltará a funcionar oferecendo consultas e exames.

Na Vila Palmeira, onde hoje funciona o Centro de Saúde Genésio Rego, o ambulatório especializado para assistência às mulheres está sendo totalmente reformado e voltará a funcionar oferecendo consultas e exames. No mesmo local, outro bloco do prédio foi totalmente reestruturado e abrigará mais uma UPA, estendendo aos moradores daquele bairro e áreas adjacentes o mesmo padrão de assistência de urgência e emergência das outras unidades de pronto atendimento mantidas pelo Estado.

Alta complexidade

O "tour da saúde" finalizou com a vista às obras que estão reestruturando totalmente o Hospital Estadual de Alta Complexidade Dr. Carlos Macieira está em fase de conclusão. Nessa área, além da administração da unidade, entrarão em funcionamento 21 consultórios médicos, os serviços de diagnóstico por imagem (com exames de raio-x, ultrassom, endoscopia, tomografia e ressonância magnética), a hemodinâmica e mais uma UTI com 13 leitos

Hospital Estadual de Alta Complexidade Dr. Carlos Macieira: além da administração da unidade, entrarão em funcionamento 21 consultórios médicos, os serviços de diagnóstico por imagem (com exames de raio-x, ultrassom, endoscopia, tomografia e ressonância magnética), a hemodinâmica e mais uma UTI com 13 leitos.

O “tour da saúde” com Ricardo Murad e sua equipe finalizou com a visita às obras que estão reestruturando totalmente o Hospital Estadual de Alta Complexidade Dr. Carlos Macieira está em fase de conclusão.

Nessa área, além da administração da unidade, entrarão em funcionamento 21 consultórios médicos, os serviços de diagnóstico por imagem (com exames de raio-x, ultrassom, endoscopia, tomografia e ressonância magnética), a hemodinâmica e mais uma UTI com 13 leitos. “Com estes, o HCM passará a oferecer 60 leitos de UTI, igualando-se aos grandes hospitais do país em terapia intensiva”, ressaltou Ricardo Murad.

Secretário vistoria obras internas do Hospital Carmos Macieira.

Secretário vistoria obras internas do Hospital de Alto Complexidade Dr. Carlos Macieira.

Todas essas obras estão em fase de conclusão e a previsão é de que essas unidades da rede estadual de saúde sejam colocadas em funcionamento até o final do mês de novembro, consolidando um amplo programa de investimentos que, somente na ilha de São Luís, inclui seis UPAs, o Centro de Medicina Especializada (Cemesp), a Farmácia Estadual de Medicamentos Especializados (Feme), o Centro Ambulatorial de Atenção ao Paciente Oncológico, o Centro de Especialidades Médicas e Diagnóstico do Diamante, a nova sede do Laboratório Central de Saúde Pública do Maranhão (Lacen), os novos leitos de UTI neonatal e pediátrica do Hospital Infantil Juvêncio Matos, a Unidade de Retaguarda Clínica do Hospital Nina Rodrigues e o Hospital de Câncer do Maranhão Tarquínio Lopes Filho.

Um “Jumbo”

O fato é que o atual Governo do Maranhão, através do trabalho do secretário Ricardo Murad, vai deixar um legado positivo e tanto para o próximo governo na área da saúde.

Nas palavras do secretário: “Vou deixar um trabalho que não pode ser gerido por um gestor qualquer. Imprimimos no setor mais do que obras, construções, aquisição de equipamentos, contratação de pessoal etc. Na verdade, imprimimos um novo conceito de saúde no Maranhão. O próximo secretário vai pegar um Jumbo em pleno vou e não tem pousá-lo, mas sim colocá-lo em voo mais alto, daí que não pode ser qualquer piloto, tem que ser alguém, sobretudo, com autonomia e força para dizer ‘não’ quando preciso, principalmente no que diz respeito à politicagem com a saúde. O sucesso do nosso trabalho foi a autonomia que a governadora Roseana no deu”, afirmou ao Blog do Robert Lobato.

É por isso que sempre dissemos aqui: pode-se não gostar, criticar ou até mesmo esculhambar o secretário Ricardo Murad, só não se pode é desconhecer a sua capacidade de trabalho, seu destemor em fazer o que precisa ser feito, sua habilidade para liderar, enfim, ignorar que se trata, sem sombra de dúvidas, de empreendedor da gestão pública, com todas as qualidades e defeitos que qualquer gestor possa ter.

E pessoas como Ricardo Murad são assim mesmo, ou são amadas ou são odiadas.

Ah, ele já fala abertamente sobre 2016.

Mas, claro, isso é assunto para um próximo post.

Até lá.

 

wellingtondoCursoSe tem uma pessoa que sabe usar bem as redes sociais para promover sua imagem essa pessoa é o empresário Wellington do Curso, proprietário da rede de cursos preparatórios para concursos e vestibulares que leva o seu nome.

Eleito deputado estadual com quase 23 mil votos, Wellington do Curso soube tirar proveito da sua capacidade de interagir com a mídia, tanto que colheu muito bem, nas urnas, os frutos dessa interação. Aliás, Wellington é um homem de mídia por natureza.

Ontem, por exemplo, o futuro parlamentar publicou na rede social do Instagram uma série de fotos onde brinca com o seu visual. Dando o ‘grau’ no visual”, escreveu – até o momento em que o Blog do Robert Lobato capturou a imagem já haviam 529 curtidas e 53 comentários.

Agora a pergunta que não quer calar é: com qual dos cinco visuais exibidos na foto acima, Wellington do Curso aparecerá no primeiro dia de trabalho na Assembleia Legislativa?

Vale aguardar.